REDES SOCIAIS
BUSCA DE NOTÍCIAS
Carregando
ARTIGOS
Homilia e sua relação com o Mistério Pascal de Cristo

Estimados irmãos e irmãs, seguindo nossa reflexão acerca da liturgia, damos continuidade a Liturgia da Palavra, de maneira mais específica, na Homilia. Quero me ater um tempo maior neste tema, para podermos explorá-lo bem, inspirado pela Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (EG) do Papa Francisco, que tenha querido dedicar uma parte importante ao tema da homilia. Anterior a esta exortação já outros papas discutiram o assunto, e que é que se torna sempre atual cuidar deste campo que se refere à Palavra de Deus. Nos ajudará também percorrer esse caminho o Diretório Homilético (DH) da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos que à luz da Sagrada Escritura, Tradição e Magistério reúne elementos significativos para podermos percorrer um caminho crescente da pregação da Palavra.

Segundo os Padres do Concílio Vaticano II: “A pregação deve se basear na Escritura e na Liturgia, sendo anúncio das maravilhas de Deus na história da salvação e do mistério de Cristo” (Sacrossanctum Concilium - SC 35,2), este que se faz presente principalmente nas celebrações litúrgicas. Dentro dessa perspectiva apresentada pela Sacrossanctum Concilium que o Diretório quer oferecer um modo de ajudar os homiliastas a cumprir corretamente e eficazmente a sua missão” (DH, n.2).

A Exortação Apostólica de Bento XVI – Verbum Domini (VD) diz que a liturgia “âmbito privilegiado onde Deus nos fala no momento presente da nossa vida: fala hoje ao seu povo, que escuta e responde” (VD, n.52). Por isso que ela não fica presa a somente uma instrução, mas que é um ato de culto. Entendemos, pois, a sacramentalidade da Palavra, que é análoga à presença real de Cristo na Eucaristia – a importância das duas mesas (Palavra e Eucaristia) que compõe um só ato de culto.

O Papa Francisco observa que “deve ser breve e evitar que se pareça uma conferência ou uma aula” (EG, n.138). Assim sendo, o que não compõe uma homilia? Não é propício que o homiliasta apresente argumentos desconexos do contexto da Celebração Litúrgica, bem como, das leituras, muito menos apresente ideias preconcebidas. A homilia não é ocasião para uma exegese bíblica, nem ensinamento catequético, nem tempo para experiências pessoais do pregador, mas, nela deve ser exprimida a fé da Igreja. A homilia puramente doutrinal e moralista não consegue estabelecer a comunicação entre os corações dos fiéis. Porém, vale destacar que, esse conjunto de “não é” da homilia, dispense uma reflexão sobre temas importantes, exegese bíblica, ensinamento doutrinal e testemunho pessoa. O que devemos entender é que, “o homiliasta deve saber coligar os textos de uma celebração a fatos e questões da atualidade, partilhar os frutos do estudo para compreender trecho da Escritura e demonstrar o nexo que se dá entre palavra de Deus e Doutrina da Igreja (DH, n.7).

O que é, portanto, a homilia? De acordo com a Instrução Geral do Missal Romano (n.65) “a homilia é parte da liturgia e vivamente recomendada, sendo indispensável para nutrir a vida cristã. Convém que seja uma explicação de algum aspecto das leituras da Sagrada Escritura ou de outro texto do Ordinário ou do Próprio da missa do dia, levando em conta tanto o mistério celebrado, como as necessidades particulares dos ouvintes”. Na homilia deve se observar quatro aspectos fundamentais: 1) o centro é o Mistério Pascal de Cristo, ora, deve ser ilustrado pelo homiliasta as leituras e a oração da celebração, elementos esses que devem ser iluminados pela morte e ressurreição de Jesus; 2) este mistério pascal tem sua realização no Sacrifício da Missa, e assim, aos fiéis devem ser dado a conhecer que é aqui que se dá a verdadeira partilha; 3) após a partilha da Eucaristia, os membros da comunidade cristã devem entender que transformados pela Eucaristia devem levar o Evangelho para seu ambiente de convívio.

Em suma, “ a homilia da Missa deve levar a assembleia dos fiéis a uma ativa participação na Eucaristia, a fim de que ‘vivam sempre de acordo com a fé que professam’” (DH, n.11). A liturgia é elemento imprescindível para interpretar os textos bíblicos e conduzir a assembleia eucarística à luz do mistério pascal converter os ensinamentos em obras.

Seminarista Wesley de Almeida

4º Ano de Teologia

Seminarista Wesley de Almeida dos Santos - wesley-almeidacm@hotmail.com
1 2 3 4 5 PRÓXIMO
DIREITOS RESERVADOS - DIOCESE DE CAMPO MOURÃO - 2012
DESENVOLVIDO POR: